Promover um turismo de inclusão onde bonitenses sejam protagonistas é objetivo do projeto ‘Cidadão Turista’

Bonito está entre os melhores destinos turísticos do mundo e é o sonho de muita gente. Afinal, que não iria querer mergulhar nas águas cristalinas do Formoso ou contemplar a beleza inigualável da Gruta do Lago Azul? Sortudo é quem mora nesse paraíso! Mas será mesmo? Os mais de 23 anos como Guia na cidade, mostraram a Maria Leopoldina que não é bem assim. Na verdade, grande parte dos bonitenses não conhece mais do que o Balneário Municipal.

Se a afirmação parece uma afronta para quem lê, imagina para um turista que está visitando a cidade pela primeira vez e tenta trocar experiências com o garçom do restaurante, ou com a camareira do hotel, e recebe uma resposta assim. Como um morador de Bonito pode dizer que não conhece a Gruta? É cartão postal da cidade.

Para mudar essa realidade e promover um turismo de inclusão, onde os bonitenses participem das atividades da cidade de forma direta, conhecendo e explorando as belezas naturais de Bonito, com os mesmo privilégios dos visitantes, e para que possam emitir opiniões precisas e sinceras sobre a qualidade do serviço ofertado, Maria, em parceria com Sebrae, desenvolveu o projeto ‘Cidadão Turista’.

O projeto será apresentado oficialmente nesta quinta-feira (1), às 19 horas no prédio do Sebrae, para os sindicatos e associações ligadas ao turismo e ao comércio, como Atratur (Associação de Atrativos Turísticos de Bonito e Região) Abaetur (Associação das Agências de Turismo de Bonito MS), Associação Comercial, Sindicato dos Guias, Associação dos Hotéis Bonitenses e os representantes do transporte, vans e ônibus e alguns comerciantes e donos de passeios.

O objetivo, segundo Maria, é começar essa inclusão por meio dos empregadores. “O dono do hotel será o responsável por programar o passeio do seu funcionário, por exemplo. Por isso é importante montarmos parcerias, para que o passeio não tenha custos ao funcionário e nem sobrecarregue o empregador”, finalizou.

Autora: Kemila Pellin/Portal da Educativa

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *