16 Jan 2020

Chefe da Comunicação do Planalto recebe dinheiro de empresas que contrata

O chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Fabio Wajngarten, recebe dinheiro de emissoras de TV e agências de publicidade que, em sua função no Planalto, ele contrata. Segundo os repórteres Fábio Fabrini e Julio Wiziack, dinheiro entra através da FW Comunicação e Marketing, uma empresa que faz controle de concorrência — estudos de mídia para TVs e agências, mapa de anunciantes no mercado, além de averiguação sobre se peças publicitárias foram veiculadas. Dentre seus clientes estão a Band (que pagou um total de R$ 109 mil em 2019) e Record, além das agências Artplan, Nova/SB e Propeg. Wajngarten é dono de 95% da empresa e, sua mãe, de 5%. A Secom, que dirige, é responsável pela verba publicitária do governo — R$ 197 milhões, no ano passado. As três agências tiveram contratos prorrogados, em 2019, e as parcelas dedicadas a veiculação de peças em Band e Record aumentaram durante sua gestão. A lei que lida com conflitos de interesse proíbe que agentes públicos tenham relações de negócios com empresas diretamente afetadas por suas decisões. (Folha)

Wajngarten reagiu de imediato. “É realmente absurdo esse tipo de matéria”, respondeu, “não estou aqui para fazer negócios. Se determinados grupos de comunicação ou institutos de pesquisa tinham em mim a tentativa de uma ponte de diálogo, essa ponte foi explodida hoje.” Em nota, a Secom sugeriu que a Folha não se conforma com o sucesso do governo Bolsonaro e desconhece a lei. O único a defender Wajngarten publicamente foi seu chefe, o general Luiz Eduardo Ramos. “A matéria é mais uma dessas maldades que se faz contra homens públicos”, tuitou. A aliados, Ramos comentou ter se arrependido da defesa imediata. (Folha)

Pois é… O número dois da Secom escolhido por Wajngarten, Samy Liberman, é irmão de Fabio Liberman, o administrador da FW. (Poder 360)

De acordo com o Painel, auxiliares do presidente Jair Bolsonaro tentaram na CGU ou no TCU pareceres que abonassem a conduta de Wajnarten. Que afirmassem estar tudo certo. Não conseguiram. (Folha)

Mas… Por enquanto, Wajngarten fica. É a decisão do presidente, de acordo com Lauro Jardim, após uma reunião que contou com a presença do secretário, de Ramos e do chefe da CGU, Wagner do Rosário. (Globo)

Então… Quando assumiu o governo, Bolsonaro tuitou garantindo que enxugaria os gastos do governo na Secom. (Twitter)

A seguradora Líder, responsável pela cobrança do DPVAT, atendia pedidos e fazias doações a políticos de diferentes partidos que podem ter agido à seu favor. Parlamentares do PSB e do PSL beneficiados teriam sido responsáveis pela suspensão da CPI do DPVAT em 2016, que foi finalizada sem nenhum parecer. Uma auditoria nas contas da seguradora apontou a transferência de R$ 94 milhões para empresas ligadas diretamente à membros do diretório nacional do PSL, incluindo os filhos de Luciano Bivar, presidente do partido. A Líder também fez o custeio das despesas do deputado Hugo Leal Melo da Silva (PSB-RJ), que era membro da CPI. Trocas de e-mails e recibos também apontam uma doação de R$ 500 mil para Andrea Neves, irmã de Aécio Neves, quando ele era governador de Minas Gerais. O destino da verba não foi identificado. (Folha)

O prazo para a aplicação do juiz de garantias foi estendido para seis meses. O presidente do STF Dias Toffoli considerou a medida constitucional, mas adiou sua vigência para que o Judiciário tenha condições de se adequar. A nova regra aprovada no pacote anticrime determina que um único processo seja conduzido por dois juízes diferentes. (Globo)

Daí que… Toffoli definiu algumas regras que reduziram o alcance dessa figura. O juiz de garantias só será aplicado em casos de primeira instância, com exceção de casos de violência doméstica e familiar, crimes contra a vida e para os processos criminais que tramitam na Justiça Eleitoral. O chefe do Supremo também atendeu o ministro Sergio Moro em algumas das alterações que sugeriu. Entre elas, suspendeu o rodízio de juízes previsto no texto para as comarcas com apenas um magistrado. (Estadão)

O MP-RJ acusou a ex-PGR Rachel Dodge de atrapalhar as investigações sobre o assassinato de Marielle Franco. Quando estava sob comando de Dodge, a Procuradoria-Geral da República relatou haver possível má conduta policial no Rio e sinais de falta de isenção pelas autoridades encarregadas da investigação. Dodge queria transferir o caso para a esfera federal. Já na análise do MP-RJ, tudo não passa de “um interminável disse me disse” ou “fofocadas de corredores penitenciários” que “materializam um capricho pessoal da ex-PGR”. O MP-RJ também afirma que Dodge inventou indiciados ao apontar o ex-deputado estadual Domingos Inácio Brazão como o autor intelectual do crime. (G1)

Dmitri Medvedev, premiê russo e um dos principais aliados do presidente Vladimir Putin, renunciou junto com todos os integrantes do seu gabinete. O motivo é a mudança que Putin quer fazer na Constituição russa. Ele propôs uma votação nacional para transferir poderes da presidência ao Parlamento e ao primeiro-ministro. O presidente ficaria proibido de servir mais de dois mandatos e o primeiro-ministro receberia mais poder. A medida é vista como estratégia de Putin para ocupar o cargo e estender seu comando depois de deixar a presidência em 2024. (G1)

Mas… a renúncia pode ter sido uma manobra do líder russo e de seus aliados para dar espaço a mudança constitucional. Mesmo assim, veículos russos críticos à Putin disseram que a decisão foi surpreendente e inesperada mesmo dentro do governo. (Estadão)

China e EUA assinaram a primeira fase de um acordo comercial que sela o começo de uma trégua na disputa que já dura há mais de um ano e meio. O pacto é bem vantajoso para os americanos. A China se comprometeu a comprar um valor adicional de US$ 200 bilhões em bens e serviços americanos até 2021 e deverá aliviar algumas das tarifas que colocou nos produtos dos EUA. O acordo representa para os EUA aumento nas exportações agrícolas e de energia, e maior proteção à sua tecnologia. Enquanto isso, preserva a maior parte das tarifas que Donald Trump colocou sob mercadorias chinesas no valor de US$ 360 bilhões e mantém a ameaça de punição adicional se a China não cumprir os termos. Trump, no entanto, disse que os dois países já trabalham numa segunda fase do acordo, cuja intenção é acabar de vez com as barreiras comerciais. (New York Times)

Enquanto isso… a Câmara dos EUA escolheu os deputados que comandarão a acusação de impeachment contra Trump no Senado. O grupo, de quatro homens e três mulheres, será liderado por Adam Schiff, chefe do Comitê de Inteligência da Câmara, e que participou ativamente do processo de impeachment. (O Globo)

CULTURA

Três estreias nos cinemas brasileiros. Destaque para O Escândalo (trailer). Indicado ao Oscar em três categorias e estrelado por Charlize Theron, Margot Robbie e Nicole Kidman, longa mostra o escândalo de denúncias de assédio contra o antigo CEO da Fox News, Roger Ailes. Outra estreia é a sequência do reboot de Jumanji (trailer). Concorrendo ao Oscar de melhor filme estrangeiro, Os Miseráveis (trailer) é um sucesso entre a crítica.

Inácio Araújo: “Quando o realismo dá certo, o que acontece é o que vemos em Os Miseráveis: um filme arrasador. Em vários sentidos, todos difíceis de explanar em palavras, pois é das imagens que vêm a força e a complexidade.Vamos começar pelas palavras finais, as de Victor Hugo, o autor do primeiro Os Miseráveis, estampadas ao final do filme: ‘Não há ervas daninhas, nem homens maus. Há apenas os que não sabem cultivá-los’.” (Folha)

Marina Person, sobre a perspectiva da voz masculina no cinema: “Sabemos o valor da formação de opinião, todos somos moldados pelas nossas referências, e as minhas sempre foram os caras que escreviam e escrevem na Folha, no Estado, no Globo, na New Yorker, na Cahiers du Cinéma. E assim como nunca questionei o fato de não ter ouvido falar das diretoras pioneiras Alice Guy-Blaché, Cléo de Verberena, Lois Weber, tampouco questionei o fato de termos tão poucas mulheres na crítica cinematográfica. Pauline Kael, vocês vão dizer. Lotte Eisner. Sim, elas existem, mas são tão poucas que só deixam o desequilíbrio ainda mais evidente”. (Folha)

A Netflix divulgou o primeiro trailer de Sergio, cinebiografia estrelada por Wagner Moura e Ana de Armas. O longa conta a história de Sergio Vieira de Mello, diplomata brasileiro morto em um atentado terrorista ao prédio da ONU no Iraque. O longa-metragem acompanha Sérgio em sua última missão na capital iraquiana, mergulhada no caos após a invasão americana. Estreia em 17 de abril.

Wagner Moura sobre a situação do cinema brasileiro: “No ano em que investiram na destruição do nosso cinema, Bacurau e Vida Invisível ganharam prêmios em Cannes e Democracia em Vertigem foi indicado ao Oscar. Duvido que eles conseguissem financiamento hoje”.

E a cantora Taylor Swift anunciou ontem o seu documentário Taylor Swift: Miss Americana. O longa estará disponível na Netflix no dia 31 de janeiro.

Ainda sobre a Netflix, está em produção a animação inspirada no livro infantil de Paul McCartney, High in the Clouds. Filme contará com música inédita de Lady Gaga.

VIVER

O The Guardian Group tem uma nova líder: Annette Thomas assumirá o cargo de CEO em março. Com doutorado em biologia celular e neurociência, Thomas é veterana no meio acadêmico. Depois da pós-graduação, começou como editora da revista Nature e permaneceu na empresa-mãe, MacMillan Publishing, por 23 anos – sendo os últimos nove como CEO. Recentemente, foi diretora executiva do Web of Science Group, “uma empresa de dados, análises e software focada em pesquisa e ensino superior” que faz parte do Clarivate Analytics. Ela atua ainda nos conselhos de Yale e Cambridge University Press.

Incêndios na Austrália. Imagens de helicópteros lançando milhares de quilos de batatas-doces e cenouras sobre o estado de Nova Gales do Sul em um esforço para alimentar espécies ameaçadas cujas fontes de alimento foram destruídas. Em meio a cenas descritas como “apocalípticas”, as paisagens queimadas estão repletas de carcaças de animais. O custo dos incêndios para a vida natural australiana continua a ser desconhecido.

E cientistas confirmaram o que se suspeitava: 2019 foi um ano muito quente, com temperaturas médias globais elevadas. Somente 2016 foi mais quente.

24 quartos ao ‘ar livre’. Não custa olhar.

COTIDIANO DIGITAL

Aplicativos de relacionamento Grindr, OKCupid e Tinder estão sendo acusados de espalhar várias informações pessoais dos usuários, como localização e orientação sexual. O Conselho do Consumidor da Noruega diz que o Grindr, por exemplo, transmite informações de rastreamento do usuário e sua identificação no aplicativo para mais de uma dúzia de empresas por meio da MoPub, plataforma de anúncios do Twitter. O OKCupid chegou a enviar dados sobre o uso de drogas, etnias e opiniões políticas à uma empresa de análise. E o Tinder enviou informações sobre gênero e orientação sexual de um usuário e do parceiro para duas empresas de marketing.

Por aqui, o Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que vai notificar o Tinder e o Grindr, que terão um prazo de 10 dias para esclarecer se os dados pessoais de usuários brasileiros foram comercializados ilegalmente. Caso confirmado, terão que pagar uma multa de R$ 9 milhões.

Em apenas dois meses desde o seu lançamento, o aplicativo do Disney+ se tornou o mais baixado nos EUA. Mais de 30 milhões de downloads no Apple Store e Google Play no quarto trimestre de 2019 — o dobro do segundo colocado, TikTok.

Fonte: @Meio

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *