17 de Novembro de 2020

ECONOMIA

O real e a Bolsa brasileira podem se beneficiar com o governo Joe Biden. Para analistas, no curto prazo, as relações comerciais Brasil-EUA podem ficar estremecidas com a pressão ambiental. Mas no longo, uma melhor relação dos americanos com a China e com blocos econômicos deixados de lado por Trump pode estimular a economia global, beneficiando indiretamente o Brasil, um dos maiores exportadores de matérias-primas. A Bolsa brasileira já tem sentido essa melhora. Em novembro, o Ibovespa acumula alta de 11,5% — melhor desempenho mensal desde janeiro de 2018, segundo a CMA. No mês, há uma entrada líquida de R$ 15 bilhões de investimento estrangeiro — até agora, o melhor mês da série histórica da B3, iniciada em 2007. No ano, porém, ainda há saída recorde, de cerca de R$ 70 bilhões. (Folha)

Pois é… A vitória de Biden levou o dólar a perder força ante seus principais pares globais. O Citigroup estima, no entanto, que a pandemia terá maior impacto do que a eleição. Com uma vacina, a moeda americana deve cair 20% em 2021. (Bloomberg)

Então… Com resultados positivos da vacina da Moderna, o Ibovespa seguiu o exterior e fechou em +1,63%, aos 106.430 pontos. É o maior patamar de fechamento desde a primeira semana de março, pré-quarentena. O dólar caiu pra R$ 5,44. E nos EUA, o S&P 500 ficou em +1,16% e o Dow Jones em +1,60%.

       COTIDIANO DIGITAL

A nova versão do sistema operacional da Apple tem causado uma série de problemas. A atualização pro Big Sur tem travado numa tela preta os modelos antigos do Mac Pro, do final de 2013 e meados de 2014, impedindo o acesso até mesmo ao modo de segurança e demais recursos. Ainda não se sabe a causa do problema ou como ser corrigido, mas a Apple já está informada.

A alta procura pela atualização também sobrecarregou os servidores da Apple pra usuários de outros modelos de Mac. Vários reportaram lentidão e problemas para abrir aplicativos devido ao um protocolo de segurança da Apple que verifica se os apps não têm malware toda vez ao serem executados. Essa política da Apple é elogiada por especialistas. Porém com os problemas, muitos usuários levantaram dúvidas se não estariam sendo rastreados. Então a big tech disse que implementará alternativas pra que seja possível pular essa proteção.

O PIX também teve problemas no seu primeiro dia de operação. Transações que eram pra levar 10 minutos, pra alguns, duraram mais de duas horas. Reclamações dos usuários também apontaram instabilidade nos apps dos bancos, problemas por não conseguir cadastrar chaves e por não concluir transações. (Globo)

       CULTURA

Negra, lésbica, funkeira e religiosa. Com toda essa bagagem de representatividade (e preconceito), a cantora Ludmila diz que finalmente se reconhece como um ícone, conta em entrevista ao site Universa. Ela está lançando um novo single, Rainha da Favela, onde homenageia outras artistas. Nascida na Baixada Fluminense, ela conta que no início de carreira chegou a pensar em mudar o tom da pele para ser mais aceita. Parte da superação, conta, veio do contato com Deus. Ela hoje comanda um grupo de estudos religiosos e acha que parte do trabalho com a fé envolve representar minorias de gênero e grupos vítimas de preconceito

Levar a representatividade de afrodescendentes e populações nativas para as paredes das galerias de arte levou tempo, mas está acontecendo. A luta agora é para estender essa conquista aos bastidores. Um levantamento do ano passado mostrou que somente 5% dos artistas expostos em São Paulo não eram brancos. Entre os curadores, somente 25% são pretos ou pardos e mesmo esses raramente chegam a cargos de chefia. (Folha)

        VIVER

A empresa farmacêutica americana Moderna anunciou na segunda-feira que sua vacina contra Covid-19, cuja fase 3 foi encerrada na semana passada, tem eficácia de 94%, de acordo com testes preliminares. O número é maior que o da vacina da Pfizer e da Spunik V russa. A Moderna pretende pedir à FDA (equivalente dos EUA à Anvisa) a autorização para uso emergencial da vacina.

A despeito das boas perspectivas com vacinas, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que não é hora de relaxar no combate à pandemia. A doença, lembra ele, tem avançado com novo vigor na Europa e nas Américas.

O Brasil ultrapassou 166 mil mortes, com 256 óbitos computados na segunda-feira. A média móvel de 490 mortos em sete dias passou a indicar alta, após um longo período de estabilidade. O Distrito Federal e 16 estados (PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AC, AP, RO, RR, TO, PE e RN) tiveram crescimento na média de mortes. Ao todo, são 5.876.694 infectados no país, com 108.746 novos casos registrados ontem.

São Paulo teve um aumento de 18% nas internações pela doença. No Rio, a ocupação de leitos de UTI na rede municipal chega a 97%. A rede privada também teve aumento significativo nas internações. Com o desmonte dos hospitais de campanha e a flexibilização de normas de isolamento, especialistas temem um novo pico da doença na cidade. Mesmo assim, o Rio retoma hoje as aulas presenciais na rede pública.

Cerca de 80 mil pessoas inscreveram até ontem em um fundo criado para indenizar possíveis vítimas de abusos sexuais ao longo de décadas no Boyscouts of America, a maior organização de escotismo dos EUA. Abalada pelo escândalo, a entidade decretou falência em fevereiro.

Funcionou às mil maravilhas. A nave Crew Dragon, da Space X de Elon Musk, atracou com sucesso na Estação Espacial Internacional, e seus quatro astronautas desembarcaram com segurança após uma viagem de 30 horas. (CNN)

Panelinha no Meio. Em tudo na vida há pequenos detalhes que mudam o jogo. No caso desta receita são pequenos de verdade: uvas-passas e castanhas-do-Pará picadas (não moídas, picadas na pancada mesmo). Com elas, um humilde risoto de espinafre pula para um outro patamar. E sem qualquer proteína animal, para agradar ao público vegano.

Fonte: Meio

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *