Prática, concisa é a resenha diária de Bosco Martins.
Em poucos minutos você já sai de casa sabendo o que há de importante.

VIVER

O Brasil registrou 1.341 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas. No total, o país tem 74.262 mortes por coronavírus e 1.931.204 infectados, uma média móvel de 1.056 mortes por dia na última semana – a mais letal no país – uma variação de 8% em relação aos óbitos registrados em 14 dias. No total, 9 estados mais o DF apresentaram alta de mortes: PR, RS, SC, MG, GO, MS, MT, RO, TO. Em relação a segunda, o CE deixou a lista de crescimento de mortes e o MT entrou na lista de altas. Em estabilidade: ES, SP, AP, AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI e SE. Em queda: RJ, AC, AM, PA, RR e RN. (G1)

O Sul do Brasil é a região com maior tendência a crescimento no número de mortes por Covid-19, segundo a análise de média móvel. Nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, as médias móveis de morte dobraram em relação aos últimos 14 dias. Apesar de estar com a tendência alta, a região possui o menor número absoluto de infecções e mortes pelo novo coronavírus. (O Globo)

Com mais de 18 mil mortes, o estado de São Paulo contabilizou 417 óbitos pelo novo coronavírus em 24 horas, segundo maior número diário, atrás apenas dos dados do dia 23 de junho, quando 434 morreram em decorrência do vírus. O estado também contabilizou, em 24 horas, 12.000 novos casos da covid-19, terceiro maior número em um dia – atrás apenas dos 19.030 casos em 19 de junho e dos 12.244 novos casos em 2 de julho. Os recordes de casos e de óbitos geralmente ocorrem às terças-feiras, quando são contabilizados os exames que ficam represados nos finais de semana. (Uol)

São mais de 136 mil mortes nos Estados Unidos. Com 132 óbitos, a Flórida bateu o recorde de mortes em um único dia no Estado. O registro anterior foi de 120 mortes. Com mais de 2.000 pacientes hospitalizados, o número crescente de pessoas que testaram positivo, a demora nos resultados dos exames e o escasso rastreamento de contatos, Miami agora é o novo epicentro da Covid-19 nos Estados Unidos.

Robert Redfielddiretor do CDC, sobre o uso de máscaras: “Não é uma questão política, é uma questão de saúde pública. Fico feliz em ver o presidente e o vice-presidente usando máscaras esta semana. Precisamos deles para dar o exemplo.”

Sobre as vacinas, a Moderna divulgou dados de seu estudo de Fase 1. Segundo a farmacêutica, os efeitos colaterais foram mínimos e todas as 45 pessoas testadas desenvolveram anticorpos contra a Covid-19. (ABC)

Mas estudos preliminares na China, Alemanha, Grã-Bretanha e outros países apontam evidências de que a defesa imunológica do corpo contra a Covid-19 pode ter vida curta, o que torna a busca por uma vacina efetiva ainda mais difícil. Segundo o professor de medicina da Universidade de Leeds, Stephen Griffin, isso significa que o excesso de confiança em uma vacina (para controlar a pandemia) “não é sensato”. Mais de 100 equipes de pesquisa e empresas em todo o mundo buscam desenvolver vacinas e pelo menos 17 já estão sendo testadas em humanos. Um ensaio pré-clínico em porcos da vacina da AstraZeneca, conhecida como AZD1222, mostrou que duas doses produziam uma resposta de anticorpos maior que uma dose única. O desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus estão em andamento há apenas seis meses. (Reuters)

Pois é… um estudo alemão sugere uma taxa baixa de contágio nas escolas. Apenas cerca de 0,1% de quase 2 mil alunos e professores testados no estado da Saxônia apresentaram anticorpos contra a Covid-19. Pesquisadores do Hospital da Universidade de Dresden analisaram em maio e junho amostras de sangue de quase 1.500 jovens entre 14 e 18 anos e 500 professores de Dresden e das cidades menores de Bautzen e Görlitz. No maior estudo realizado na Alemanha com esse grupo populacional, incluíram-se escolas onde haviam ocorrido surtos da doença respiratória. Pode ser um sinal de que as escolas talvez não desempenhem um papel tão importante na propagação do coronavírus. (DW)

A França comemorou ontem em formato reduzido seu tradicional dia da Queda da Bastilha. Neste ano, os grandes homenageados foram os profissionais de saúde que atuaram na linha de frente do combate ao coronavírus. Houve protestos próximo à cerimônia. No final do dia, uma grande queima de fogos encerrou as comemorações perto da Torre Eiffel. Fotos.

CULTURA

Banksy retornou ao metrô de Londres com uma peça na qual promove o uso da máscara como medida contra a pandemia. Um vídeo enviado à sua conta do Instagram mostra um homem, que pode ser o próprio Banksy, vestido como um funcionário do metrô. A empresa de transporte público da capital britânica, Transport for London (TFL), informou que o grafite foi removido dias atrás devido à sua “rígida política anti-grafite”.

Em Berlim, John Heartfield: Photography Plus Dynamite está atualmente em exibição na Akademie der Künste.

Em 1929, uma fotomontagem de Heartfield olhando para seus espectadores enquanto corta com uma tesoura a cabeça do chefe de polícia de Berlim, Karl Zörgiebel, dizia: “Use a foto como arma”. E ele de fato transformaria suas fotomontagens em armas poderosas, mas contra outro inimigo: Adolf Hitler. Nos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial, e enquanto os Nacional-Socialistas tentavam manipular a opinião pública com sua máquina de propaganda, Heartfield expôs a verdade com suas imagens criadas engenhosamente.

Não só se tornou um dos artistas mais importantes do mundo na luta contra o fascismo, como se firmou como o designer gráfico mais inovador de Berlim na República de Weimar, designação para o período na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial em 1919 e que durou até ao início do regime nazista em 1933.

Um livro em capa dura com imagens dos seus trabalhos.

O Metallica disponibilizou um show de 1994 em seu canal no YouTube. O lançamento faz parte do Metallica Monday, campanha para arrecadar doações para famílias afetadas pelo Covid-19. A apresentação inclui clássicos dos quatro primeiros álbuns do grupo, que na época se preparava para gravar Load, de 1996.

COTIDIANO DIGITAL

Depois de especulações, o Reino Unido confirmou que a Huawei está fora do 5G do país. As empresas de telecomunicações devem suspender a compra de novos equipamentos da marca e remover os já existentes até 2027. A exclusão representa um ganho para o governo Trump, que aplicou novas sanções à Huawei e também foi motivada pela nova lei de segurança em Hong Kong. Mas virá com um custo: a rede 5G inglesa sofrerá um atraso de até três anos e um custo extra de até 2 bilhões de libras. A decisão do Reino Unido, deve aumentar ainda mais a pressão para proibir a Huawei por aqui também.

O WhatsApp ficou instável ontem. No final da tarde, o Downdetector, site que monitora o funcionamento de serviços online, começou a reportar falhas relacionadas à conexão e ao envio de mensagens tanto no aplicativo quanto na versão web. A empresa disse que foi um problema pontual e em menos de uma hora foi corrigido. Mas foi o suficiente para os usuários reclamarem nas redes…

O Spotify foi lançado ontem em 13 novos mercados na Europa, elevando o número total de mercados para 92. Usuários na Albânia, Bielorrússia, Bósnia, Herzegovina, Croácia, Cazaquistão, Kosovo, Moldávia, Montenegro, Macedônia do Norte, Rússia, Sérvia, Eslovênia e Ucrânia agora podem usar o serviço

MILITARES USAM LEI DA DITADURA CONTRA GILMAR

Foi com um argumento baseado na Lei de Segurança Nacional, que data da Ditadura Militar, que o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, acionou a Procuradoria-Geral da República contra o ministro Gilmar Mendes, do STF. O Artigo 23 da lei torna crime ‘incitar à animosidade entre as Forças Armadas’. De acordo com o ministro do Supremo, o Exército pode estar se associando a um genocídio dos povos indígenas perante a escalada da crise sanitária enquanto o governo permanece inativo. Os militares reclamam mas o presidente Jair Bolsonaro já estuda um substituto para o general Eduardo Pazuello, que comanda como interino a pasta da Saúde. (Estadão)

O general Hamilton Mourão, vice-presidente, também falou duro. “Se tiver grandeza moral, tem que se retratar.” (CNN Brasil)

Gilmar, porém, não arrefeceu. Em uma nova live, ontem, acompanhado de ex-ministros do Supremo, seguiu. “São 28 militares nos cargos da cúpula do ministério, dificuldade de executar o orçamento, colapso portanto do serviço de saúde”, listou. Aí se referiu à live de sábado. “Sebastião Salgado liderou um grupo apontando que o Brasil pode estar cometendo genocídio. Então, é esse debate. A responsabilidade que possa ocorrer.” (Folha)

Enquanto isso… O Ministério da Defesa teve aumento de gastos superior à evolução das despesas em Educação, Saúde e Agricultura. (Globo)

Sérgio Abranches: “O ministro Gilmar Mendes tem mais razão para dizer o que disse do que o ministro da Defesa em ficar indignado. É fato de que a palavra genocídio tem uma carga simbólica pesada. Mas, digamos que o ministro tivesse dito que os militares se associaram à matança, ou carnificina da Covid-19. São palavras de peso simbólico menor e continuariam a indicar o mesmo problema real. O Brasil tem um número de mortes excessivo, por atraso e relaxamento nas decisões de isolamento social e por omissão do governo federal. O ministro da defesa e os chefes das três armas fizeram nota de indignação e representação à Procuradoria Geral da República. Em nota o ministro do STF disse que respeita os militares, mas se preocupa com o rumo das políticas públicas do país e que, em um contexto de elevado número de mortes por Covid-19, a substituição de técnicos por militares nos postos-chave do ministério da Saúde extrapola a missão institucional das Forças Armadas. Ele está com toda razão. Os militares não se reconhecem como participantes no governo, na qualidade de corporação, porque consideram como funções civis de nomeação política os cargos ocupados por vários oficiais da ativa e da reserva. Não veem como missão corporativa, mas como opção individual. Mas é difícil dissociar uns de outros. Há uma evidente militarização da gestão pública federal. Crise política continuada e tensões institucionais seriais elevam muito o risco de fadiga institucional e ruptura. São sinais inquietantes e precisam ser enfrentados com a noção de sua gravidade.”

O Conselho da Amazônia se reúne hoje pela segunda vez desde fevereiro sob pressão de investidores internacionais, que ameaçam deixar o Brasil caso o desmatamento não seja contido. E em crise: a pressão aumentou após a coordenadora de Observação da Terra do Inpe, Lubia Vinhas, ser exonerada sem explicação após o anúncio pelo órgão de que a devastação da Amazônia estava se ampliando. “O pessoal achou que tinha uma coisa a ver com a outra”, se explicou ontem o ministro Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia. “Nós ampliamos as funções do Inpe, ela vai assumir uma delas.” A própria coordenadora não havia sido informada de nada. (G1)

Então… Em carta, ex-ministros da Fazenda e ex-presidentes do Banco Central dos governos Collor, FH, Lula e Dilma defendem que o desenvolvimento deve ser feito com preservação ambiental e responsabilidade social. (Valor)

Meio em vídeo: Editor de um dos livros mais vendidos de Olavo de Carvalho, o jornalista Felipe Moura Brasil foi o primeiro a mapear como a militância virtual bolsonarista inclui assessores pagos com dinheiro público. É o entrevistado da semana. Assista.Meio em vídeo: Editor de um dos livros mais vendidos de Olavo de Carvalho, o jornalista Felipe Moura Brasil foi o primeiro a mapear como a militância virtual bolsonarista inclui assessores pagos com dinheiro público. É o entrevistado da semana. Assista.

O ex-secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos, acertou um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. Preso na última sexta-feira com R$ 8,5 milhões em notas, Santos deve revelar a participação do governador Wilson Witzel no esquema de corrupção. O acordo precisa ser homologado na Justiça. (G1)

Fonte: Meio

Compartilhe:

15 Julho 2020