Poético

Ciranda

Ciranda

Destaque, Poético
João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili, que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. Por Carlos Drummond de Andrade Assista também ao programa "Prosa e Segredos, Ontem, Hoje e Sempre, com Bosco Martins", com pós-produção/texto e edição de Allison Ishy e pós-produção/edição de vinhetas e pílulas de Roque Martins, que divulga o Documento Regional – Raridades com o programa Poesia Total I e II, pílula 24, onde o poeta e jornalista Bosco Martins declama poemas de sua autoria e de Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Astor Piazzolla, Vinicius de Morae
José

José

Destaque, Poético
E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, você? você que é sem nome, que zomba dos outros, você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José? Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho, já não pode beber, já não pode fumar, cuspir já não pode, a noite esfriou, o dia não veio, o bonde não veio, o riso não veio, não veio a utopia e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou, e agora, José? E agora, José? Sua doce palavra, seu instante de febre, sua gula e jejum, sua biblioteca, sua lavra de ouro, seu terno de vidro, sua incoerência, seu ódio - e agora? Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não
Um Doutor

Um Doutor

Destaque, Manoel de Barros, Poético
Um doutor veio formado de São Paulo. Almofadinha. Suspensórios, colete, botina preta de presilhas. E um trejeito no andar de pomba rolinha. No verbo, diga-se de logo, usava naftalina. Por acaso, era um pernóstico no falar. Pessoas simples da cidade lhe admiravam a pose de doutor. Eu só via o casco. Fomos de tarde no Bar O Ponto. Ele, meu pai e este que vos fala. Este que vos fala era um rebelde adolescente. De pronto o Doutor falou pra meu pai: Meus parabéns Seo João, parece que seu filho agora endireitou! E meu pai: Ele nunca foi torto. Pintou um clima de urubu com mandioca entre nós. O doutor pisou no rabo, eu pensei. Ele ainda perguntou: E o comunismo dele? Está quarando na beira do rio entre as capivaras, o pai respondeu. O doutor se levantou da mesa e saiu com seu
Rondó de efeito

Rondó de efeito

Destaque, Poético
Olhei para ela com toda a força. Disse que ela era boa. Que ela era gostosa, Que ela era bonita pra burro: Não fez efeito. Virei pirata: Dei em cima dela de todas as maneiras, Utilizei o bonde, o automóvel, o passeio a pé, Falei de macumba, ofereci pó... À toa: não fez efeito. Então banquei o sentimental: Fiquei com olheiras, Ajoelhei, Chorei, Me rasguei todo, Fiz versinhos, Cantei as modinhas mais tristes do repertório do Nôzinho. Escrevi cartinhas e pra acertar a mão, li Elvira a Morta Virgem, romance primoroso e por tal forma comovente que ninguém pode lê-lo sem derramar copiosas lágrimas... Perdi meu tempo: não fez efeito. Meu Deus que mulher durinha! Foi um buraco na minha vida. Mas eu mato ela na cabeça: Vou lhe mandar uma caixinha de Minorativas,
A Espada de Ouro

A Espada de Ouro

Destaque, Poético
Excelentíssimo General Henrique Duffles Teixeira Lott, A espada de ouro que, por escote, Os seus cupinchas lhe vão brindar, Não vale nada (não leve a mal Que assim lhe fale) se comparada Com a velha espada De aço forjada, Como as demais. Espadas estas Que a Pátria pobre, de mãos honestas, Dá a seus soldados e generais. Seu aço limpo vem das raízes Batalhadoras da nossa história: Aço que fala dos que, felizes, Tombaram puros no chão da glória! O ouro da outra é ouro tirado, Ouro raspado Pelas mãos sujas da pelegada Do bolso gordo dos salafrários Do bolso raso dos operários. É ouro sinistro, Ouro mareado: Mancha o Ministro, Mancha o Soldado. Por Manuel Bandeira Assista também ao programa "Prosa e Segredos, Ontem, Hoje e Sempre, com Bosco Martins", com pó
Madrigal melancólico

Madrigal melancólico

Poético
O que eu adoro em ti, Não é a tua beleza. A beleza, é em nós que ela existe. A beleza é um conceito. E a beleza é triste. Não é triste em si, Mas pelo que há nela de fragilidade e de incerteza. O que eu adoro em ti, Não é a tua inteligência. Não é o teu espírito sutil, Tão ágil, tão luminoso, – Ave solta no céu matinal da montanha. Nem é a tua ciência Do coração dos homens e das coisas. O que eu adoro em ti, Não é a tua graça musical, Sucessiva e renovada a cada momento, Graça aérea como o teu próprio pensamento. Graça que perturba e que satisfaz. O que eu adoro em ti, Não é a mãe que já perdi, E nem meu pai. O que eu adoro em tua natureza, Não é o profundo instinto matinal Em teu flanco aberto como uma ferida. Nem a tua pureza. Nem a tua impureza. O
Momento num café

Momento num café

Poético
Quando o enterro passou Os homens que se achavam no café Tiraram o chapéu maquinalmente Saudavam o morto distraídos Estavam todos voltados para a vida Absortos na vida Confiantes na vida. Um no entanto se descobriu num gesto largo e demorado Olhando o esquife longamente Este sabia que a vida é uma agitação feroz e sem finalidade Que a vida é traição E saudava a matéria que passava Liberta para sempre da alma extinta. Por Manuel Bandeira Assista também ao programa "Prosa e Segredos, Ontem, Hoje e Sempre, com Bosco Martins", com pós-produção/texto e edição de Allison Ishy e pós-produção/edição de vinhetas e pílulas de Roque Martins, que divulga o Documento Regional – Raridades com o programa Poesia Total I e II, pílula 18, onde o poeta e jornalista Bosco Martins decla
Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser

Poético
Dá a surpresa de ser. É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver seu corpo meio maduro. Seus seios altos parecem (se ela estivesse deitada) dois montinhos que amanhecem sem ter que haver madrugada. E a mão do seu braço branco assenta em palmo espalhado sobre a saliência do flanco do seu relevo tapado. Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gnomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como? Por Fernando Pessoa Assista também ao programa "Prosa e Segredos, Ontem, Hoje e Sempre, com Bosco Martins", com pós-produção/texto e edição de Allison Ishy e pós-produção/edição de vinhetas e pílulas de Roque Martins, que divulga o Documento Regional – Raridades com o programa Poesia Total I e II, pílula 17, onde o poeta e jornalista Bos
Estreante

Estreante

Manoel de Barros, Poético
Fui morar numa pensão na rua do Catete. A dona era viúva e buliçosa e tinha uma filha Indiana que dava pancas. Me abatia. Ela deixava a porta do banheiro meio aberta e isso me abatia. Eu teria 15 anos e ela 25. Ela me ensinava: Precisa não afobar. Precisa ser bem animal. Como um cavalo. Nobremente. Usar o desorgulho dos animais. Morder lamber cheirar fugir voltar arrodear lamber beijar cheirar fugir voltar até. Nobremente. Como os animais. Isso eu aprendi com minha namorada Indiana. Ela me ensinava com ungüentos. Passava ungüento passava ungüento passava ungüento. Dizia que era um ato religioso foder. E que era preciso adornar os desejos com ungüento. E passava ungüento e passava ungüento. Só depois que adornava bem ela queria. Pregava que fazer amor é uma eucari
Arte de amar

Arte de amar

Poético
Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma. A alma é que estraga o amor. Só em Deus ela pode encontrar satisfação. Não noutra alma. Só em Deus – ou fora do mundo. As almas são incomunicáveis. Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo. Porque os corpos se entendem, mas as almas não. Por Manuel Bandeira Assista também ao programa "Prosa e Segredos, Ontem, Hoje e Sempre, com Bosco Martins", com pós-produção/texto e edição de Allison Ishy e pós-produção/edição de vinhetas e pílulas de Roque Martins, que divulga o Documento Regional – Raridades com o programa Poesia Total I e II, pílula 15, onde o poeta e jornalista Bosco Martins declama poemas de sua autoria e de Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Astor Piazzolla, Vinicius de Moraes, Manoel de Ba